Prêmios e Beneficios

O que eles diziam…

Olá. Estamos em nosso 2º mês da série “O que eles diziam”, falando especificamente da revista Você S.A. de novembro de 2001.

A mudança de agora em diante será na estrutura do artigo. Faremos três colunas em uma, ou seja, teremos aqui “O que eles diziam”, seguido da crítica “Ponto de Vista”. Para isso a estrutura do artigo será dividida em “O que eles diziam!”, “O que eles dizem!” e o “Ponto de Vista”, sobre o tema em questão.

Esperamos que os leitores gostem e participem. Boa leitura.

VOCÊ S.A. – Edição 41 – novembro/2001

A reportagem escolhida foi escrita por Max Gehringer, onde ele fala sobre benefícios, status quo, e cujo título é “CARRO, CARREIRA, CORRERIA”.

Trata-se de um verdadeiro relato de como era o reconhecimento e o status dos executivos das companhias, durante uma viagem no tempo, de 1960 até 2000. Para facilitar o entendimento ele satirizou o texto com dois personagens e suas respectivas evoluções na carreira. Tratou, ano a ano, de quais eram os carros dos executivos e a importância que cada um dava a esse benefício.

Max Gehringer falou ainda sobre o que mais chamou sua atenção, que era o peso dos automóveis na remuneração total dos executivos, onde se via, ano a ano, a seguinte evolução:

Gerência

Ano / participação do veículo
na remuneração

Alta Gerência

Ano / participação do veículo
na remuneração

1987 – 2%

1987 – 3%

1992 – 9%

1992 – 13%

1997 – 9%

1997 – 11%

2001 – 10%

2001 – 10%

Trata-se de uma curva diferente em cada uma das posições, uma crescente e outra decrescente.

Naquele tempo era realmente um grande benefício. E o carro do ano, top entre os executivos, eram as Mercedez. Era o sonho de consumo entre as várias opções de carros.

Ao longo da reportagem, Max Gehringer traduz o quanto de esforço e correria se aplicava para se ter uma boa carreira de sucesso e almejar algo tão sonhado. No fim, fica também para os leitores da época o gostinho do esforço para trocar o carro popular por um benefício top de linha de uma empresa, sinal de status e de uma carreira de sucesso.

 

 

O que eles dizem…

VOCÊ S.A. – Edição 161 – novembro/2011

A capa da revista VOCÊ S/A, edição de número 161, de novembro de 2011, traz um novo retrato das carreiras que eram tidas como promessas para o futuro. Dentre elas, as top 5 eram profissões alternativas, que não recebiam a devida importância há 10 anos atrás ou nem se imaginava que existiriam. São elas:

Administrador Público – Dada a tendência de termos gestores profissionais nos cargos de alto escalão do governo e das entidades públicas, a exemplo de Minas Gerais;

Tecnólogo e Engenheiro de Petróleo e Gás – Muito em função da exploração da área do pre-sal;

Especialista em Recuperação de Áreas Urbanas Degradadas – Devido ao crescimento econômico, demográfico e urbano, hoje necessitamos de pessoas que entendam sobre essa atividade;

Coordenador de Desenvolvimento da Força de Trabalho e Educação Continuada – Muito em função do apagão de mão de obra especializada no Brasil;

Matemático – Voltado para modelagens e formatos de trabalho em TI (Tecnologia da Informação), Financeiro e Inovação.

Realizamos uma pesquisa de mercado para entender, atualmente, como é a remuneração dos executivos. E o que encontramos foi cada vez mais a busca por empresas que prezam pela qualidade de vida, oferecem bons salários, mas, fundamentalmente, o pacote mais atrativo é o alto bônus e as Stock Options das companhias, que, em alguns casos, oferece ao executivo até mais de 10 vezes a remuneração regular. Atualmente o benefício do automóvel se tornou uma commoditie.

 Ponto de vista…

Analisando as duas reportagens, percebe-se que o sonho de uma carreira meteórica, tanto pelo status quo, como para ser bem sucedido e alcançar um lugar no paraíso, continua sendo a grande saga de todos aqueles que atualmente carregam uma boa carga de trabalho, mas que nunca perderam ou perderão a esperança de um dia estar lá no topo, tanto para ganhar muito bem, como para ter ótimos benefícios, como o “carrão” do ano!

Mas penso que devemos fazer uma boa reflexão. Veja que entre as cinco profissões e carreiras do futuro citadas na matéria de 2011, temos o matemático, que, via de regra é o professor que ensina a tão temida matéria. Temos um coordenador de capacitação, que poderíamos simplificar e chamar de professor máster, e um responsável por recuperar áreas degradadas nas cidades.

Muito bem, caros leitores, façamos uma reflexão: será que esse mundo executivo, tão sonhado, utópico e quase impossível de se alcançar, nos traz a plenitude da vida? Será que ter um cargo, um salário exorbitante e o “carrão” do ano, nos trará mais vida? Será que nos tornarão pessoas melhores? Diante das duas revistas temos um hiato entre esse sonho e a vida real do professor de matemática que trabalha na área rural. Será que esse profissional está sendo remunerado adequadamente, reconhecido e valorizado como deveria? Ou será que nós, com nossas mentes “ambiciosas”, estamos deixando tudo e todos para trás em busca de um reconhecimento utópico?

Fico por aqui e, se você quiser, gostaria de receber sua opinião.
Um abraço e até mais!

 Fabio Fachini
E-mail: fabio.fachini@educavirtual.com.br
Site: www.educavirtual.com.br

Anúncios